Sede do ISNTITUTO CARL ROGERS

Menu:

 

 

 

GRUPOS DE ENCONTRO (IMERSÕES)

Grupo de Encontro ou Imersão é uma modalidade de trabalho com grupos desenvolvida pelo Instituto Carl Rogers de acordo com a Abordagem Centrada na Pessoa (ACP). Os objetivos dessa atividade são o crescimento pessoal e o desenvolvimento e aperfeiçoamento da comunicação e das relações interpessoais através de um processo experiencial.
O Grupo de Encontro consiste em um encontro de pessoas previamente inscritas e dispostas a terem um encontro consigo mesmas. Nesses grupos os facilitadores (terapeutas) procuram promover um ambiente de confiança mútua para que haja as vivências de interação do tipo "de pessoa para pessoa", em que cada um caminhe na direção de uma maior aceitação do seu ser global, incluindo todas as suas potencialidades.

O Grupo de Encontro também recebe o nome de Imersão e os participantes ficam hospedados por todo um fim de semana. Todos os facilitadores desses encontros são terapeutas do Instituto Carl Rogers.

Um pouco mais sobre grupos em ACP

Carl Rogers, em sua visita ao Brasil, em 1977, numa entrevista à TV Cultura, fez a seguinte descrição dos grupos de encontro:

"É uma oportunidade de um grupo de pessoas se conhecerem em um nível mais profundo. Oportunidade de se comunicarem mais aberta, real e profundamente. É um espaço onde as pessoas podem descartar máscaras e papéis, e expressar seu verdadeiro interior. É também uma oportunidade de explorar novas maneiras de ser e de se comunicar. É aproximação de pessoas e não de papéis, como psiquiatras ou professores. É uma chance de se conhecerem simplesmente como uma pessoa encontrando outra pessoa. Há uma quebra das barreiras de comunicação, permitindo que as pessoas se aproximem com o elemento humano que existe dentro de cada um. Aí se experimentam novas maneiras de ser. Quem é o facilitador? A própria palavra já o expressa. Não é um grupo que o indivíduo conduz para um objetivo. O facilitador torna possível às pessoas se expressarem tal como são, e as pessoas do grupo determinam a direção. E cada um, com isso, vai se tornando mais pessoa. São elas que estão tentando tornar-se um ser humano mais completo. O facilitador não tem idéia da direção das pessoas e do grupo. Este só cria o clima para a pessoa emergir, encoraja os outros a se expressarem e, emergindo, a pessoa encontra sua direção. O facilitador não é um elemento eqüidistante. Ele envolve-se com todos os membros. Ele desempenha tal função no início para que o grupo tome impulso, mas depois vai se tornando um membro do grupo e isto é incentivo aos outros. Sendo ele mesmo para os demais, faz com que os outros vão se conhecendo mutuamente e se tornando um membro igual aos demais"
Fonte: http://www.institutodelphos.com.br/clinico/depoimento.htm

PROXIMO GRUPO DE ENCONTRO: 27, 28 e 29/11/2009
LOCAL: Casa Verde Recepções - Aldeia/PE
Maiores informações